INÍCIO RESENHAS PARCEIROS CONTATO ESPECIAIS

30 de novembro de 2015

Falando sobre: Confissões de Inverno

||
Autor: Brendan Kiely                                                                      Editora: Arqueiro                                                                                      222 Páginas                                                                                                      Sinopse: À medida que sua família se desintegra, Aidan Donovan, um adolescente de 16 anos, procura consolo em estimulantes químicos, no estoque de bebidas do pai e nas atenções do padre Greg, o único adulto que realmente o escuta.O Natal chega e seu mundo entra em colapso quando ele reconhece o lado obscuro do afeto que o padre Greg lhe dedica. Enquanto tenta dar sentido à própria vida, Aidan conta com o apoio de um grupo de amigos desajustados: Josie, a garota por quem se apaixona; a rebelde e espontânea Sophie; e Mark, o carismático capitão da equipe de natação.Confissões de Inverno mostra as formas pelas quais o amor pode ser usado como uma arma contra a inocência – mas também pode, nas mãos certas, restaurar a esperança e até a fé.O corajoso romance de estreia de Brendan Kiely expõe o mal que os segredos mais profundos que guardamos podem causar e prova que a verdade liberta e abre caminho para o amor.
Oi gente! O livro de hoje é mais uma parceria com a Editora Arqueiro! :D Ele é muito bom, com um tema forte e um final muito aberto. Um desfecho que me deu a impressão que o autor ia continuar mas não o fez.
A história é narrada em 1ª pessoa e o protagonista é Aidan Donovan. Ele tem 16 anos e é filho de pais ricos. Seu pai é um economista famoso que recentemente abandonou a família. Como ele não era presente em sua vida, Aidan somente o chama pelo nome durante todo o livro e não sente tanto assim a falta dele em casa.
"Eu tinha pavor das outras pessoas e de mim mesmo. Meus medos me oprimiam e me encurralavam."
O começo da trama é um pouco confuso, pois Aidan tem um problema sério que você não consegue entender. Até parece ser um problema com o pai ausente, depois começamos a perceber que é algo muito maior.

Inicialmente Aidan cita inúmeras vezes o padre Greg, que o ajuda com esses períodos difíceis que o jovem têm. Contudo, em determinado momento as atitudes de Aidan em relação ao padre parecem ser muito mais amorosas que o normal, até este momento da trama achei que ambos estavam em um relacionamento de verdade.
"Queria que estivéssemos num lugar mais calmo. Queria fechar a porta para toda aquela tagarelice sem pé nem cabeça e conversar como duas pessoas que se importavam com coisas significativas."
Entretanto houve um acontecimento na história em que Aidan percebeu que o que tinha com o padre Greg era um abuso. Que o pároco o manipulava dizendo que o que ele fazia tinha relação com o amor e a fé. 

Quando Aidan compreende a situação em que está, fica extremamente confuso e começa a enlouquecer aos poucos, algo que a narrativa do personagem é boa em demonstrar. No período em que descobre essa realidade, ele faz amizade com três adolescentes de sua escola que ele conhecia de longe mas não tinha contato: a Josie, a Sophie e o Mark.
"Era só isso que eu queria: uma sensação de estabilidade, de completude, uma garantia de que qualquer medo poderia ser desfeito, de que a solidão era uma doença que se curava quando a expiração do outro se tornava a minha inspiração e, juntos, nenhum de nós jamais se sentiria só."
Os quatros jovens saem juntos, bebem, usam drogas; simplesmente diversão de adolescentes rebeldes, pois todos são de famílias ricas e recebem a pressão por causa do futuro. O que mais sofre nessas ocasiões é Mark, que tem um pai extremamente rigoroso que planeja o destino do filho. Além disso, Aidan repara que o amigo tem problemas a mais que ninguém sabe, e Mark fica transmitindo indiretas sobre a questão.

A narrativa é fluida e o assunto te prende na história. Antes de entender a situação de Aidan eu o achava irritante, porém quando ele se aprofundou na questão fiquei apreensiva por ele. O protagonista me deixava impaciente quando ficava muito ligado às pessoas, quase como uma criança, principalmente com a empregada Helena, que é uma segunda mãe para o rapaz.

Na metade do livro quando entendi as preocupações dele, foi triste de saber. Aidan tem medo de que quando expor a verdade ninguém acredite nele, que sua vida acabe destruída e que ele perca as amizades, portanto a narrativa apresenta esse conflito interno de revelar a verdade ou conviver com a mentira.
"Parecia que eu despencava de algum lugar, sem a menor ideia de onde ia aterrissar. Será que eu estava mesmo me transformando num monstro?"
O livro não tem um desfecho interessante, pois é extremamente aberto. O autor fez uma história e um enredo ótimos e um clímax muito bom, mesmo sendo um pouco óbvio, contudo no fim tudo despencou porque me deu a impressão que parei a leitura no clímax.

Espero que você tenha gostado da resenha, escolhi deixar os problemas do protagonista subtendidos para não expor muito a narrativa. Comente o que acharam da trama, se têm ou não interesse em ler. :)

Ah e lembrem-se: foca na leitura!
Facebook
Blogger

2 comentários

  1. Fiquei muito interessado por esse livro, adoro livros que trazem personagens problemáticos e tal, a capa do livro me chamou muita atenção. Muito boa a resenha!
    Abraços!
    http://umaleituraqualquer.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriel!

      Todos os adolescentes desse livro são problemáticos rs
      Você provavelmente vai gostar! Adorei a capa também!

      Obrigada, Beijos!

      Excluir