INÍCIO RESENHAS PARCEIROS CONTATO ESPECIAIS

2 de fevereiro de 2017

Falando sobre: Ninfeias Negras

||

Autor: Michel Bussi
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
352 Páginas


Sinopse: Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho.É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas.Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.
Oi gente! O que acharam do layout novo? Achei lindo! <3 A resenha de hoje é de mais um livro de parceria com a Editora Arqueiro! :D 

A trama é de suspense e se passa na França, em Giverny, cidade que o pintor Claude Monet imortalizou em inúmeros quadros e até hoje são mantidas as mesmas paisagens em homenagem a ele. A narrativa é em primeira e terceira pessoa. A narradora é uma senhora de oitenta anos que não se identifica, porém é testemunha de vários segredos da cidade, e logo no início diz ao leitor que contará a história de três mulheres, ela sendo uma delas.
"A primeira era má; a segunda, mentirosa; a terceira, egoísta."
A narradora, como já citei, não se identifica mas, tem um cachorro chamado Netuno que é conhecido por todo o vilarejo, mas ninguém sabe que ela é a dona. Já as outras duas mulheres são: Stéphanie Dupain, uma mulher de trinta e poucos anos; e Fanette, uma menina de onze anos e todas as três moram no mesmo vilarejo. 

Jardim de Monet em Giverny, França

Ponte japonesa e lago de nenúfares(1899) - Claude Monet, óleo sobre tela
A história inicia-se com o assassinato de um homem muito conhecido na cidade, Jérôme Morval, um oftalmologista que tinha a fama de mulherengo, mesmo sendo casado, e que era conhecido por seu enorme interesse pelos quadros de ninfeias de Monet. Além disso, Jérôme tinha em seu bolso, quando já estava morto, um cartão de aniversário para uma criança de dez anos. Ou seja, a investigação utiliza essas três possibilidades para o homicídio.
"Um apreciador de arte que não vai deixar nada para a posterioridade. Um apreciador de mulheres que, sem dúvida, nenhuma delas vai prantear. Exceto a sua, aquela que ele negligenciava."
Nenúfares(1904) - Claude Monet, óleo sobre tela 
O novo delegado da cidade, Laurenç Sérénac, investiga o crime que tem inúmeras linhas de raciocínio, com pistas que confundem cada vez mais o caso, deixando-o com a dúvida de que os próprios moradores escondem um segredo. O que ele não sabe é que nossa narradora sabe questões profundas das pessoas, além de morar na casa mais alta da cidade, o moinho, onde consegue ver quase toda a cidade pelas janelas.

Acompanhamos a investigação do delegado junto com seu parceiro Sylvio Bénavides, ao mesmo tempo acompanhamos Fanette, que é uma menina prodígio na pintura, e Stéphanie, a única professora da cidade.

A história me surpreendeu, pois os acontecimentos pareciam ser 'jogados' para o leitor e outros eram frustantes pois aparentemente a narradora poderia evitá-los mas não se esforçava o suficiente. Ela sabe de tudo, mas não impede o curso das situações, qual será o motivo? É um pouco confuso, instigante e frustante. E quando cheguei ao final, senti uma angústia e uma raiva tão grande que não consegui mais parar a leitura! (rs)
"Tenham certeza de uma coisa, uma só: não há coincidência alguma em toda essa série de acontecimentos."
O interessante é que a narrativa descreve muito a cidade que inspirou os quadros de Monet. Também há descrições deles, o que atiça a curiosidade do leitor para procurá-los e visualizar as obras. (rs) É legal para entender o que Monet sentia sobre a cidade, pois o livro mistura a paisagem que o Monet transferiu para os quadros e o sentimento dele por ela. E como o vilarejo parece ter parado no tempo por causa do artista, pois o pintou e nunca mais houve mudança no lugar.

Recebi o livro da Editora Arqueiro dentro de uma caixa personalizada muito linda! <3
Dou quatro raios para o livro pois houve algumas partes da metade dele que achei lentas demais, pois são informações que aparentemente não têm ligação e que me cansaram na leitura. (rs) Mas gostei muito da trama, pois adoro suspense e arte e é interessante como a cidade onde Monet viveu é o palco de tantos acontecimentos. Tenho interesse em ler outro livro do autor "O Voo da Libélula", também publicado pela Editora Arqueiro, vocês conhecem?

Espero que tenham gostado da resenha! Comentem o que acharam da história, ficaram curiosos? :D

E lembrem-se: foca na leitura!
Facebook
Blogger

2 comentários

  1. Suspense é meu gênero de leitura favorito. Fiquei bem empolgada quando soube desse lançamento e agora, depois de ler sua resenha, a vontade de ler esse livro cresceu. Já está na listinha!
    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Michelle!

      Fico muito feliz que minha resenha tenha atiçado sua curiosidade pela leitura!
      Eu adorei! Se você gosta de suspense, recomendo muitíssimo! :D

      Beijos!

      Excluir