INÍCIO RESENHAS PARCEIROS CONTATO ESPECIAIS

25 de maio de 2016

Falando Sobre: A Poeira dos Outros

||
Autor: Ivan Marsiglia
Editora: Arquipélago Editorial
Ano: 2013
165 Páginas

Sinopse: Nas vinte reportagens reunidas neste livro, Marsiglia demonstra se interessar pelos mais diversos assuntos, mas é possível identificar uma preocupação recorrente; contar histórias que revelem ao leitor episódios obscuros do passado - e também do presente - do país. Isso pode ser visto no perfil do juiz que, ainda em plena ditadura, condenou o Estado pela morte do jornalista Vladimir Herzog, ocorrida em 1975. Ou no relato da movimentada - e violenta - madrugada de sábado em um pronto-socorro na periferia de São Paulo. Em um dos textos mais característicos do estilo de Marsiglia, o repórter conta a história de uma onça que deu as caras na beira de uma rodovia. O fato, ao contrário do que seria de se esperar, é reconstituído do ponto de vista, e com o "linguajar", da onça. Há quem defina a utilização de tais recursos narrativos como jornalismo literário, mas o nome pouco importa. O que faz diferença é ler um texto que, mais do que simplesmente informar, é capaz de entregar ao leitor uma grande história.
Ivan Marsiglia nasceu em São Paulo e é jornalista e bacharel em ciências sociais, com especialização na Fondation Journalistes en Europe (Paris). Trabalhou como repórter e editor da revista Playboy, foi redator-chefe da Trip e até março de 2015 era editor-assistente do caderno Aliás do jornal O Estado de S. Paulo.

Em 2013, lançou o livro A Poeira dos Outros, uma seleção de vinte reportagens publicadas entre 1995 e 2012 e impresso pela Arquipélago Editorial. Em 165 páginas, o leitor é convidado a apreciar o chamado “jornalismo literário” e várias grandes histórias.

Com prefácio de Humberto Werneck, a obra atinge seu auge em “Sou suçuarana”. Na reportagem, o autor retrata a história da onça Anhanguera, atingida por “uma coisa grande” no quilômetro 71 da rodovia de mesmo nome. O habitat do bicho é próximo ao eco condomínio Delle Stelle, que oferece “bosque com mata nativa em área de preservação permanente”. Em busca de comida, a puma acabou caindo na rodovia. 

Assim, percebe-se a crítica do autor em relação às empresas detentoras de condomínios localizados em áreas preservadas que tomam o lar de animais que necessitam de espaço e liberdade para viver. O fato disso tudo ser contado pelo ponto de vista da própria onça deixa o relato mais emocionante e real, o que causa um maior impacto no leitor. 

Igualmente intrigante é “A Memória das Paredes”, reportagem vencedora do 12º Prêmio Estadão de Jornalismo na categoria Perfil, que conta a luta da família Noronha para permanecer em sua casa. A residência, na Ditadura Militar, era palco das torturas sofridas pela ex-guerrilheira Inês Etienne Romeu, que deseja que o espaço se torne um museu em memória dos anos de chumbo. 

O livro também traz um diferencial: ao final da maioria das reportagens Ivan coloca uma espécie de nota ou observação sobre como as personalidades retratadas estão hoje (no caso, até 2013), muitas vezes acabando com a nossa curiosidade a respeito do desfecho da história. 

A Poeira dos Outros se apresenta como uma boa opção para futuros jornalistas que queiram adentrar um pouco mais em sua profissão ou para leitores comuns que buscam passar o tempo conhecendo um pouquinho a fundo algumas histórias inusitadas.

Além disso, o autor parece se interessar por reportar histórias que geralmente não têm tanta visibilidade, como a correria de um médico que atende em um hospital da periferia da zona sul de São Paulo (ler Viagem ao centro da guerra) ou a rotina de pessoas que frequentam a praia de nudismo Balneário Camboriú (ler Carnaval na praia dos pelados). Apesar do título, Ivan vai além da poeira dos outros. 

Um beijo e foquem na leitura!
Facebook
Blogger

30 comentários

  1. Oi, como vai?

    Nunca ouvi falar nem no livro e nem no autor. Nossa uma novidade muito bacana, gostei mesmo de ler sua resenha. Um livro bem diferente, não eh mesmo? Ao menos minha impressão. Gostei tanto que já entrou para minha lista de leitura, adoro descobrir novas obras, ainda mais as que trazem conteúdos inusitados...Obrigada pela dica e parabéns pela resenha!

    http://www.cristinadeutsch.org/
    Saudações literárias.

    Beijos no ♥http://www.cristinadeutsch.org/
    Saudações literárias.
    Beijos no ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cris, é um livro diferente sim e fico feliz que você tenha gostado, porque eu adorei :3
      Eu que te agradeço <3
      Beijo.

      Excluir
  2. Oiii, tudobem?
    Gente que livro é esse? Eu fiquei aqui babando completamente apaixonada :o em primeiro lugar eu realmente não conhecia a editora e nem o autor, então isso ainda mais meu interesse. Leria com toda certeza.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, eu estou bem sim :)
      Que bom que gostou <3
      Beijo.

      Excluir
  3. Olá!
    Eu não conhecia esse livro e nem o autor.
    Eu confesso que não me senti atraída pela obra, também não curto muito o gênero, mas acho que ele é bem bacana para galera que faz Jornalismo. Traz historias inusitadas e as anotações do autor ajudam a matar a curiosidade do leitor.
    Ótima resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jess!
      Eu faço Jornalismo e sim, ler a obra foi um imenso prazer, haha.
      Obrigada pelo carinho <3
      Beijo.

      Excluir
  4. Oie tudo bem? Amei o post, você escreve muito bem e soube apresentar a obra de uma ótima maneira também. Infelizmente não me interessei, não sou o público alvo do livro, mas tenho certeza que muitas pessoas vão gostar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thaísaaa!
      Que comentário mais lindo, muito obrigada pelo carinho <3
      Beijo.

      Excluir
  5. olha, parece ser uma leitura curiosa e interessante... não sou jornalista mas gosto de ler livros de cunho jornalístico vezemquando... sugestão anotada ^^
    nunca tinha ouvido falar desse livro, mas gostei da dica...
    bjs...

    ResponderExcluir
  6. Oi. O livro, apesar de curioso, não consegui sentir tanto interesse, visto que os enredos não me interessam tanto num livro. ' a luta da família Noronha'? Que luta? Enfim, o livro traz conceitos e noções que não me agradam muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lilian!
      Como expliquei na resenha, a luta da família é para permanecer detentora de sua casa e não ser despejada, pois ex-guerrilheira Inês Etienne Romeu deseja que o espaço se torne um museu em memória da Ditadura Militar.
      Espero que agora eu tenha conseguido explicar certinho ^^
      Beijo.

      Excluir
  7. Oioi! Tudo bem?
    Olha que livro interessante, nao conhecia esse A Poeira dos Outros.
    Nao é mto o tipo de livro que leio, mas gosto de conhecer novas obras e esse fiquei ate um pouco mais interessada.
    A capa está simples e gostei.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Suzzy!
      Que bom que se interessou pelo livro!
      Eu achei a capa linda, ela ilustra a "Poeira", haha.
      Beijo.

      Excluir
  8. Olá Luisa, o conteúdo é bem interessante para vários amigos meus que gostam de livro epistolas, eu não curto muito, mas indicarei a eles com certeza, sua resenha está ótima. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dani!
      Indique para eles sim, acho que vão gostar ^^
      Beijo.

      Excluir
  9. Oii,
    Li a resenha mas sinceramente... não me interessei muito pelo livro, do jeito que eu to um flop nas leituras não ia dar muito certo hihi.

    Abraços!
    http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bate aqui que eu também estou flopando nas minhas leituras esse mês, auhauahu. Eu tinha todo um planejamento dos livros que ia ler, mas mudei xD
      Beijo.

      Excluir
  10. Oi Luiza, sua linda, tudo bem?
    Desde que li um livro do repórter Caco Barcellos, fiquei interessada por ais dicas desse gênero. Os jornalistas tendem a ter uma visão bem peculiar, sempre levantam reflexões, discussões, eu gosto muito disso, de me abrir para outros pontos de vistas. Por isso dica mais do que anotada, não vejo a hora de ler. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cila, que comentário mais sincero, adorei <3
      Fico muito feliz que tenha gostado da minha dica. Já leu algum livro da Eliane Brum? Ela é jornalista, recomendo muito o Uma, Duas.
      Beijo.

      Excluir
  11. Oie
    não conhecia o livro mas achei interessante o tema abordado aqui, gosto muito de livro com temas fortes e sua resenha me deixou bem curiosa, vou anotar a dica

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado Catharina!
      Um beijo.

      Excluir
  12. Olá, tudo bem? Adorei sua resenha, me deixou bem curiosa a respeito da obra. E confesso, não conhecia nem a obra e nem o autor.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Se eu fosse você eu acabava com essa curiosidade, porque o livro é muito bom, hahaha.
      Beijo.

      Excluir
  13. Ia doer muito em mim esse relato contado pela própria onça. :/ O livro não é de um gênero que chama a minha atenção, mas percebo que o autor acabou adotando uma abordagem bem diferente, achei bem legal ele colocar uma nota ao final da maioria das reportagens dizendo como as personagens retratadas estavam na época do lançamento.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Ju, o relato contado pela onça é bem forte :/
      Beijo.

      Excluir
  14. Como eu não conhecia esse livro ainda, meu deus! Confesso que é a cara de um dos meus colaboradores. Com certeza vou comprar um exemplar e resenhar no meu blog.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah, Débora, é muita felicidade saber que seu blog vai seguir minha recomendação <3
      Beijo.

      Excluir
  15. Jornalismo literário é uma coisa linda <3 É a área que mais me chamou a atenção no curso (faço Jornalismo). Diferente do factual, do diário, nele nós temos a possibilidade de aprofundar o tema e mais! Usar essa linguagem mais convidativa, narrada, que deixa meu coração quentinho quentinho. Tive a oportunidade de escrever uma reportagem para o nosso jornal laboratório nos moldes do literário e simplesmente amei. Fiquei com vontade de conhecer esse livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nicolle! Eu também faço Jornalismo <3
      Justamente pelos motivos que você citou eu amo a área literária que a profissão proporciona!
      Um beijo.

      Excluir