INÍCIO RESENHAS PARCEIROS CONTATO ESPECIAIS

27 de novembro de 2014

Falando sobre: Orange is the new Black

||

Autora: Piper Kerman                                                                 Editora: Intrínseca                                                                        302 Páginas                                                                                            Sinopse: Quando era jovem, tudo o que Piper Kerman queria era viver novas experiências, conhecer pessoas diferentes e descobrir o que fazer com o diploma recém-adquirido da prestigiosa Smith College. Anos depois, com um bom emprego e prestes a se casar, ela recebe uma visita inesperada - a polícia. Piper estava sendo intimada para responder por envolvimento com o tráfico internacional de drogas. A acusação era verdadeira - recém-formada, Piper teve um caso com uma traficante glamorosa que a convenceu a levar uma maleta de dinheiro para a Europa. Sua aventura pelo submundo do crime voltou à tona no dia em que a polícia bateu à porta dela. Depois de uma dolorosa odisseia pelo sistema judiciário americano, Piper acabou condenada a quinze meses de detenção numa penitenciária feminina no meio do nada - longe dos amigos, da família e de tudo o que ela conhecia. Em 'Orange Is the New Black', Piper apresenta casos curiosos, perturbadores, comoventes e divertidos do dia a dia no presídio. Cercada de criminosas, logo percebe que aquelas mulheres são muito mais complexas do que ela imaginava. Ao mesmo tempo que aprende a conviver com regras arbitrárias e um rigoroso código de conduta, Piper revela as alegrias e angústias das presidiárias e analisa a crueldade com que o sistema carcerário as desumaniza e faz com que sejam invisíveis ao mundo exterior.
Oi gente! O livro de hoje, que aliás tem uma série da Netflix, é bem interessante por conter relatos fiéis sobre a realidade das penitenciárias americanas, tendo como protagonista e narradora Piper Kerman. Ela fala sobre as mulheres que conheceu com o total respeito, e tem muitas histórias para contar.
"A prisão é, literalmente, um gueto no sentido mais clássico da palavra, um lugar onde o governo dos Estados Unidos, hoje, não coloca só os perigosos, mas também os inconvenientes - doentes mentais, viciados, pobres, pessoas pouco instruídas e sem profissão."
Piper é uma mulher de família privilegiada e correta, que nunca esteve com problemas na justiça; estudou em universidades particulares e em sua juventude fez muitas besteiras e a maior de todas foi envolver-se amorosamente com Nora, uma traficante de drogas. Passou por várias aventuras, viagens e luxo, porém, depois de participar ativamente em um transporte ilegal, percebe o seu erro e foge.
"Considerei meu período com Nora no exterior um curso intensivo sobre as realidades do mundo, sobre quão feias as coisas podem ficar e como era importante permanecermos fiéis a nós mesmos, ainda que em meio a aventuras ou experiências."
Muitos anos depois, em um relacionamento estável com Larry, se vê longe do passado obscuro e secreto em que esteve. Porém, ele bate em sua porta com uma ordem judicial, que exigia seu comparecimento no tribunal por tráfico de drogas. Sua sentença é de 15 meses e Piper, uma mulher branca, loira, de família privilegiada; inicia sua nova temporária vida em uma penitenciária.

A história da Piper e das pessoas que encontrou na prisão demonstra a realidade de nossa sociedade. As punições não servem para melhorar os indivíduos, mas para piorá-los ao ponto de nunca mais conseguir se encaixar novamente na civilização. E como esse atual sistema é difícil de ser melhorado, mudado e compreendido. Trazendo uma crítica à ele, onde as pessoas são destruídas, corroídas e corrompidas nesses locais e quando saem; continuam no crime por não encontrar outra maneira de sobreviver e por fim, voltam ao sistema novamente.
"Nada no dia a dia do sistema penitenciário faz com que seus habitantes concentrem a atenção em como será a vida quando voltarem ao mundo exterior, quando voltarem a ser livres."
Um dos pontos importantes da série é a ideia dos flashbacks das personagens, mesmo sendo fictícios, tentando não focar somente na Piper, pois o livro é quase uma autobiografia sobre um período da vida dela. Outro ponto interessante é que a série pega elementos do livro e os mescla em uma só personagem ou ocasião. 

Da esquerda para a direita: Taylor Schilling, atriz que interpreta Piper Chapman e a autora do livro, Piper Kerman.

Em relação a série, eu gostei bastante de ela ter começado um rumo próprio, somente utilizando aspectos relevantes do livro e adaptando do seu modo, mal posso esperar pela terceira temporada! Lembrando que a série tem algumas cenas eróticas, escolha o momento certo para assistir. (lol)

Bom gente, espero que vocês tenham gostado da resenha, comente o que você acha do livro e da série. E não se esqueçam: Foca na leitura!

Facebook
Blogger

6 comentários

  1. Nossa! Não sabia que tinha um livro... deve ser mais ou menos como The Walking Dead, eles só usam elementos do livro na série. Ainda não assisti, acredita? Essa vai ser uma promessa de ano novo!

    Beijo!
    Aline Chaves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, muita gente ainda não sabe do livro rs
      Ah é uma promessa que vale a pena cumprir! :D

      Beijos,
      Joyce

      Excluir
  2. Nossa tinha desconfianças em ver o seriado ou ler o livro, mas depois dessa resenha vou da uma olhada mais a fundo na historia. Adorei a resenha :))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou feliz que você tenha gostado da resenha!
      Vale a pena dar uma chance para ambos, espero que goste :)

      Excluir
  3. Eu assisto a série e não sabia que havia um livro!
    Fiquei mega curiosa pra ler \o/
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal :D
      Leia porque é interessante ficar comparando o livro com a série!
      Espero que goste do livro :)

      Beijos~

      Excluir